Exposição final da residência do programa 1ª Avenida, Edifício Axa Porto. 09.2013. +

Existências Extraviadas
Um corpo naufragado é como uma morte suspensa no tempo, na existência e no esquecimento. Um corpo perdido que perdura só na absoluta e profunda atmosfera que o envolve. Submerso em silêncio e escuridão, permanece depositado numa eternidade imóvel e impotente. O seu acidente compõe não o fim, mas antes o inicio de uma vida pendente, desvinculada do seu acontecimento pela distancia que a afunda até á sua coordenada final. Uma alienação involuntária da realidade. Uma separação da superfície. Um embargo profundo. Uma existência privada de resolução, unicamente infinita.

Esta série de trabalhos foi projetada no programa de residências artísticas do 1ª Avenida, e apresentada em Setembro 2013 no edifício Axa. A série reflete sobre os estágios de alienação, o desfasamento da realidade, espaços de limbo, relações de intermitência e a profundidade do esquecimento.